quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Rastreios de cancros – vale a pena efectuá-los?

Rastreios de cancro


  • Porque é que se fazem rastreios de cancros?

Os rastreios de cancros, também designados por rastreios oncológicos, são realizados com o objectivo de detectar e resolver alterações no corpo humano, numa fase em que as pessoas ainda não apresentam queixas (fase assintomática), evitando, dessa forma, a progressão dessas alterações para cancro.

  • Podem rastrear-se todos os cancros?

Não.
Na verdade, são muito poucos os cancros que é possível, e faz sentido, rastrear. Só faz sentido rastrear cancros que:
- apresentem um período assintomático longo;
- apresentem alterações que possam ser detectadas na fase assintomática;
- possuam tratamento dessas alterações que conduza efectivamente a um melhor resultado final; - possuam testes de rastreio com qualidade, acessíveis e aceitáveis para os pacientes;
- possuam tratamento aceitável para os pacientes.
Infelizmente, uma parte significativa de cancros não possui estas características.

  • Os rastreios acarretam alguns riscos?

Sim.
Sempre que uma pessoa é submetida a um teste médico (p. ex. uma análise, um raio x, uma biópsia…) corre alguns riscos. Eis alguns exemplos desses riscos:
- Sempre que efectuamos um raio x estamos a submeter o nosso organismo a uma certa dose de radiação. Estas radiações têm alguns efeitos secundários e podem ser indutoras de cancro.
- Qualquer teste pode dar um falso positivo ou um falso negativo, o que induz as pessoas em erro. Um erro natural, uma vez que apesar de todos os desenvolvimentos tecnológicos do mundo actual, ainda não existem meios de diagnóstico perfeitos. A Medicina não é uma ciência exacta, mas sim uma ciência de probabilidades.
- Um falso positivo pode induzir o paciente num estado de ansiedade e preocupação e muitas vezes é necessário recorrer a exames mais invasivos o que também acarreta desconforto físico para o paciente.
- Um falso negativo pode contribuir para o atraso de diagnóstico e impedir dessa forma o tratamento atempado.

  • Que rastreios devem ser efectuados?

À luz dos conhecimentos científicos actuais, há três cancros que faz sentido rastrear:

- Cancro da mama: recomenda-se o rastreio das mulheres dos 50 aos 69 anos através de mamografia, de 2 em 2 anos.

- Cancro do colo do útero: recomenda-se o rastreio das mulheres com actividade sexual, pelo menos entre os 30 e os 60 anos, através da citologia cervical (papanicolau), de 3 em 3 anos, após dois exames anuais negativos.

- Cancro do cólon e do recto: recomenda-se o rastreio das pessoas dos 50 aos 74 anos, através de pesquisa de sangue oculto nas fezes, anual ou de 2 e 2 anos. Um método alternativo de rastreio é a colonoscopia total.


Actualmente, discute-se se fará sentido rastrear o cancro da próstata. A decisão de rastrear ou não este cancro através da análise do PSA (antigénio específico da próstata) deve ser ponderada especificamente entre o paciente e o seu médico.


Carlos Martins
Núcleo de Actividades Preventivas da APMCG
Departamento de Clínica Geral da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto



Uma informação de Carlos Martins sempre oportuna, porque embora o rastreio não seja um procedimento recente a responsabilização de cada uma de nós deve ser-nos dada. A idéia de antecipação ao cancro deve estar presente todos os dias.
O rastreio, quando possivel, deve ser efectuado pela população no geral, não apenas pela população de risco. Não há desculpas para não o fazer, há programas de Rastreio gratuitos, feitos apartir de unidades móveis, que se efectuam já, em todas as Áreas Regionais do país.

Basta estar atenta...

Bjos a todas

5 comentários:

Nela disse...

Muito pertinente!

Sendo o cancro uma doença silenciosa e assintomática durante um período considerável, não é de desprezar a hipótese de controlar precocemente o seu aparecimento quando a situação o permite. Já basta quando não é possível.

O que nos impede? Falta de tempo? Custos exagerados? Medo?

Essencialmente, medo! E que não nos passe pela cabeça que o medo desaparecerá com discuros lógicos e de bom senso. Não, não desaparece.

Por isso eu peço em voz alta: Façam os exames, APESAR DO MEDO! Levem o medo, engulam o medo, vomitem o medo, disfarcem o medo, comam o medo, mas vão! Por favor! Pode salvar-vos a vida e ensina os que estão a seguir a nós a fazerem o mesmo.
Por favor....

Lídia Catarina disse...

Falo por mim. Relativamente ao cancro da mama, que foi o problema que me afectou, o rastreio deve ser feito sempre desde cedo. Eu digo cedo, porque o meu cancro apareceu-me à um ano atrás, tinha eu 23 anos. Tendo em conta que não tinha ninguém na família com antecedentes, nunca tive ideia que me pudesse acontecer isto numa idade jovem. Fui eu que descobri sozinha numa apalpação normal, por isso é o que aconselho a todas as senhoras que estão em idades consideradas de risco, mas também a todas as jovens, porque o cancro não escolhe idades.
Bjs para todas

Cinda disse...

A prevenção é o melhor caminho. Nem sempre a prevenção, prevalece ou tem o melhor resultado. Muito raramente acontece, mas acontece. No meu caso específico, a partir dos 40, sempre todos os anos fazia mamografias e tudo estava bem. Quando aos 45 fui chamada pela liga a efectuar o rastreio, estive para não comparecer, uma vez que oito meses antes já tinha feito e nada acusara.
Qualquer coisa bateu na hora e acedia à chamada. Pois lá estava ele, sem pedir licença. Em tão pouco tempo se manifestou e cavalgou a passos largos. Entre Maio de 2006 e Julho desse mesmo ano, multiplicou-se, passando de um a quatro.
Estar atento e não facilitar é a melhor prevenção. Medo temos todas nós, passando ou não por alguns processos, mas temos que encarar sempre de frente esse medo e não deixar que ele nos vença. Em grande parte das vezes, é o medo que não nos deixa vencer atempo.
Por favor, com ou sem medo, estejam atentas e façam a prevenção.
Bjs e Bfs

Alda disse...

É muito importante a prevenção sim, porque quando é detectado a tempo pode salvar a vida! Eu todos os anos fazia exames e ia à consulta de rotina, e foi num desses exames que se descobriu um nódulo que durante 9 anos foi benigno e depois virou maligno. Estar sempre atenta, e nunca faltar às consultas, salvou-me do pior, pois acredito que ainda fui a tempo.
Beijos

Osvaldo disse...


É muito importante ter exames anuais para detectar o cancro. Todas as mulheres devem ter. Minha irmã teve um exame com um especialista em citopatologia e conseguiu detectar um câncer precocemente. Felizmente, esta curada.