terça-feira, 7 de julho de 2009

Linfedema

Olá,

Antevendo as férias que se aproximam para muitas de vós (e para mim), lembrei-me de falar sobre algumas questões que povoam a cabeça de quase todas as mulheres nestes dias que antecedem o no fare niente. E o que me levou a abordar algumas destas questões é o facto de assumirem uma importância muito maior se falarmos de mulheres que passaram por cancro da mama, mastectomia radical ou parcial, quimio e radioterapia.
Nestes casos ultrapassam a linha de um simples desejo de estar bonita e bem para aproveitar o tempo de lazer, acresce um sentido de cuidados exigidos para o bem estar e para a saúde.

Inicio com o Linfedema, vulgo "Braço inchado", e que é uma acumulação anormal de liquido, rico em proteínas, linfa , no braço ou nos dois (cirurgia bilateral) que se pode estender à região do tórax, resultado de uma sobrecarga do sistema linfático, em que o volume de linfa acumulada excede a capacidade de drenagem da mesma. Pode surgir imediatamente á cirurgia, alguns meses ou até anos depois, mas se surge pode torna-se num problema crónico difícil de controlar e que deve ser discutido com o médico assistente e com um fisioterapeuta. O Edema do braço (linfedema) aparece porque os gânglios linfáticos foram afectados pela infecção cancerígena, porque foram retirados ou ainda porque ficaram danificados com a incidência da radioterapia.
Num estado muito inicial pode bastar o repouso, exercício físico moderado e adequado e elevação do braço ou, se num estado mais avançado ter que ser tratado com fisioterapia, uso de manga elástica, drenagem linfática manual...

Alguns sinais:
- Sensação de inchaço e braço pesado
- Diminuição de flexibilidade nos movimentos normais do braço, ombro e mão, assim como endurecimentos nas mesmas zonas
- Dificuldades maiores em vestir roupa com mangas.

Nunca deixar de falar com o médico sobre os sintomas e as medidas a seguir.
Na possibilidade de ter que fazer drenagem, nunca iniciar sem indicações médicas e nunca fazer sem ser num fisioterapeuta especializado nesta área.



O Linfedema ou Edema do braço não é um problema exclusivo do Verão, mas requer atenção redobrada na exposição ao sol, depilação, uso de vestuário sem mangas e uma hidratação intensíva para que seja controlado com êxito:

- Exposição ao sol deve ser evitada no dia a dia, usando camisola de mangas ou manga de três quartos.
Na praia, fazendo o horário dito de bebé fugindo ás horas de maior incidência de raios UVA (e este conselho serve para todas as pessoas, já agora!). O bronzeador sempre de índice máximo de protecção.
Uma camisola/túnica a proteger o braço se o horário for o menos indicado (para as meninas mais afoitas), e ao mesmo tempo que protege do calor protege também de picadelas de insectos (há praias que por vezes parecem infestadas). Cuidado também com o uso de anti-repelente... são geralmente muito fortes e podem irritar a pele do braço.

- Hidratação elevada, ou seja o braço deve estar sempre muito bem hidratado, com produtos o mais suaves possível para não irritar a pele. Mesmo que se use uma camisola ou outra peça com manga que proteja o braço, passar o creme hidratante deve fazer parte dos hábitos diários.

- Desodorizantes: sem álcool e sem perfume para que a axila não sofra irritações no tecido.

- A depilação na axila não deve nunca ser a cera para evitar o tradicional "puxão", os pêlos encravados ou infecções. Optar por um método que minorize as possibilidades de cortes/feridas.
Há quem aconselhe a máquina de barbear precisamente porque é segura neste sentido.
A depilação do restante corpo também não deve ser a cera quente, para não interferir no bom funcionamento da circulação sanguínea e não agravar o Edema dos membros superiores. Depilação a lazer na axila está completamente fora de questão porque pode provocar queimadura se mal feita (e ainda se faz muito mal em muitos sítios). Creme depilatório contém produtos muito abrasivos e fortes demais para a pele da axila.

Para além destes cuidados, mais indicados para a época balnear, nunca descuidar o facto de que não se devem carregar sacos pesados no braço/mão que corresponde ao lado em que se fez a cirurgia, o que inclui evitar transportar a mala nesse braço também... até porque sabemos que a mala das Sras pesa sempre para cima de muitos quilos.
Ter cuidado com picadelas (agulhas, insectos etc.).
Reservar diariamente um tempo para repousar o braço. É muito importante.
Não exagerar nos movimentos do braço com o exercício físico e perceber que tipo de exercícios se devem fazer.


A todas, já sabem, a vossa experiência e partilha só podem enriquecer e ajudar mais mulheres.
Eu espero ter ajudado/ esclarecido de alguma forma.


Para quem vai de férias não esquecer: abusar dos chapéus coloridos, os vestidos soltos, a havaianas, os lenços com muita cor, um verniz de cor forte, os óculos de sol e... estarão lindas para viver o descanso com alegria e glamour. Como merecem.


Beijos

11 comentários:

Nela disse...

Já me tinha lembrado de voltar a fazer um post sobre linfedema, mas ainda bem que te antecipaste. Nunca é demais lembrar os perigos de um linfedema num braço em que foi feito o esvasiamento axilar, mas nesta altura do ano ainda é mais urgente. O Sol, tão saboroso, é um inimigo terrível se mal doseado.
Olhem que eu sei (infelizmente) o que estou a dizer. Não façam a mesma asneira que eu fiz... Fica para o resto da vida!

Lina Querubim disse...

Olá!
Quero fazer uma pergunta, esses cuidados todos é para quem retirou alguns gânglios linfáticos ou para quem só retirou o gânglio sentinela?!
O gânglio sentinela é aquele que fica mais perto do tumor é retirado no momento da operação depois, vai para analise patológica para ver se tem células tumurais. Se estiver limpo óptimo não é necessário fazer mais nada caso esteja com células faz-se uma segunda operação para retirar uns quantos para que não se espalhem mais!
Bjs

Nela disse...

Lininha, é para quem retirou vários gânglios (esvaziamneto axilar). Quem tirou só o sentinela tem um grau de liberdade muito maior. Mas atenção que quem fez radioterapia tem que esperar um ano até apanhar Sol e, mesmo depois, tem que ser com moderação porque pode ter havido lugar à formação de algumas fibroses que também podem comprometer a estrutura linfática.
:o)

Cristina J. disse...

Lina, estes cuidados nunca podem ser "só" para quem isto ou aquilo... são para todas as mulheres que tiveram cancro da mama, embora a segurança de algumas tenha uma margem maior. Mas sempre muito vigilante.

Na pesquiza que fiz, radioterapia era um factor que determinava que a exposição solar fosse feita após liberação do médico, afinal é radiação sobre radiação no mesmo tecido... que os desodorizantes e cremes fossem escolhidos com muito cuidado, e que se evitasse depilação por "puxão" (cera).

Retirando um gânglio doente (o sentinela, como disses-te) faz com que os cuidados a ter com os restantes seja redobrado...é ou não?!
Quando fores a nova consulta fala com o teu médico, ele aconselhar-te-á com base no teu caso especifico.


Bjinhos

Nela disse...

Retirado do Portal de Oncologia Português:

"Esta complicação chamada linfedema não surge habitualmente quando se utiliza a técnica do gânglio sentinela e não se tem que completar o esvaziamento axilar (nalguns casos o gânglio é positivo e é necessário completar o esvaziamento axilar). Resumidamente, a pesquisa do gânglio sentinela é efectuada da seguinte forma: no tecido perto do tumor, é injectada uma substância radioactiva e tinta azul; estas substâncias flúem, através do sistema linfático, até ao primeiro gânglio linfático para onde as células cancerosas provavelmente metastizaram: gânglio ou gânglios "sentinela".


Para encontrar e detectar o gânglio sentinela, o cirurgião procura a tinta azul, e usa um scanner (sonda) para localizar a substância radioactiva. Assim, o cirurgião remove apenas o gânglio ou gânglios contendo a substância radioactiva ou com tinta azul. Um patologista analisa, então, o gânglio sentinela, procurando a presença de células cancerosas.


A biópsia do gânglio sentinela é tão eficaz como a excisão dos gânglios linfáticos axilares, quando realizada por especialistas treinados. O esvaziamento axilar é evitado em mais de metade das mulheres com cancro da mama. reduzindo assim a hipótese de desenvolver edema linfático, após a cirurgia."

http://www.pop.eu.com/portal/publico-geral/tipos-de-cancro/cancro-da-mama/efeitos-secundarios-mama/cirurgia-mama.html#expand1_link

Maria de Lourdes disse...

Boa amigas
Quem não sabe o que isso é que se cuide muito bem,pois não é nada fácil, apesar do meu não ser muito acentuado, há dias em que incomoda bastante, e já me fez passar algumas noites mal dormidas.
Apareceu ao fim de um ano, fiz fisio no hospital e drenagem linfática em particular, sendo esta feita,sob a orientação de um médico Russo, pena foi que se fosse embora, pois dei-me bastante bem: beijinhos para todas

Maria de Lourdes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isa disse...

E eu que diga o incómodo que é viver com linfedema, embora moderado ás vezes consegue chatear, e o uso da manga é imprescindível, pelo menos nas tarefas diárias.
Muito atenta a nossa Cris.
beijinhos
Isabel

Lina Querubim disse...

Cris
eu fiz esta e faço algumas perguntas para quem venha aqui ler possa encontrar da forma mais fácil resposta.
Eu ainda ontem fui ao Oncologista que perguntei o que fazia ali ao fim de um mês e meio, ele perguntou-me Lina tem análises ao qual respondi: Não!
O Dr tinha ido de férias e quis prevenir que neste tempo nada de anormal se tivesse passado. Aproveitei e tirei a minha lista de perguntas ao qual ele respondeu :) afinal valeu a pena lá ter ido!
Agora é Herceptin dia 14 e análises que pedi uma série de coisas que ouço as nossas Amigas falar e ele mandou-me fazer. Gosto dele tem muita paciência para mim e dá-me tempo necessário para tudo o que quero saber!
Consulta só em Agosto.

Beijokas

Cinda disse...

Eu sempre fiz drenagem manual, após a mastectomia.
Ñem sempre é visivel a olho nu, pois muitas vezes temos apenas linfa na zona intercostelar e não damos conta. Se recirrermos à fisioterapeuta especializada, ela fará logo o direcionamento da linfa para os devidos canais e evitará que o braço possa inchar. Estejam atentas não só ao braço, mas também com a zona do pescoço e costas.
É sempre bom prevenir.

Anónimo disse...

sou fisioterapeuta do IPOfg lisboa, gostaria de dar mais umas dicas acerca do linfedema,
o calor é um dos piores inimigos do braço inchado, linfedema, seja ele qual for, mas no verão para minimizar os efeitos refresque o seu braço com água fria ou com uma toalha molhada , colocada em cima do mesmo,não use gelo.
há vários tipos de linfedema , não só o após cirurgia, mas o que chamamos de linfedemas primários.
podem consultar
www.asuafisioterapeuta.com aonde encontram mais dicas
muito obrigado
FT Conceição Rebelo de Andrade